Um estudo recente, conduzido pela M. Sense Pesquisa e Inteligência de Mercado, demonstrou que 61% dos empreendedores digitais brasileiros que atuam nas startups têm idade entre 20 e 30 anos. São pessoas com visão inovadora de mercado e criatividade para desenvolver produtos e serviços surpreendentes, a exemplo da tecnologia que mescla sensores (hardware) com os aplicativos (software).

Um campo de atuação amplo está sendo preenchido por empresas que possuem hardware controlado por dispositivos móveis, com softwares específicos, como drones, cadeados, cofres e até coleiras para cachorro.

CTA-Meio-Startup

PinMyPet

A startup brasileira desenvolveu um sistema que alia hardware + app em uma coleira que permite saber a localização do animal de estimação perdido. O aplicativo está disponível para Android e iOS, e o dono do bichinho pode criar um perfil, que inclui informações sobre consultas veterinárias, endereço e características do animal.

A ideia do negócio é aliar o aplicativo a uma uma placa carregada pelo pet junto à coleira. São medalhinhas com os nomes Tag e Care, sendo que a primeira registra informações que são transmitidas para a tela do smartphone e a segunda apresenta mais informações, como monitoramento em tempo real.

Lock8

Imagem: kickstarter

Imagem: kickstarter

A ideia da startup é oferecer um cadeado que funciona sem chave e abre a bicicleta pelo bluetooth do smartphone. Basicamente o usuário poderá bloquear e desbloquear eletronicamente o cadeado com apenas um deslizar de dedos, ou configurá-lo para bloquear quando o smartphone se afastar da bicicleta. Além disso, os donos podem saber onde está a bike com um localizador no celular.

O bloqueio também conta com um alarme silencioso que notifica o dono em caso de violação do cadeado ou da corrente por serra maçarico ou broca.

Campo amplo a ser explorado pelas startups

A ideia de usar dispositivos de hardware + app para captar informação no ambiente e compilá-las em dashboards de indicadores já é amplamente usada em situações que nem ao menos notamos. O mercado é promissor, e há espaço, inclusive, para aportes e incentivos de grandes empresas e do governo.

Ainda há dificuldades

As aplicações podem desempenhar funções que ainda não precisamos e acabam sendo recebidas pelo público sem a demanda necessária (e esperada). Apesar disso, o cenário é cada vez mais promissor, sobretudo para as startups. Com visão de mercado e ideias inovadoras, algumas aplicações têm se adequado às necessidades de um nicho, contudo para se fixar no mercado um desafio constante é a busca de parcerias com empresas de maior porte.

Nem sempre a startup têm as condições e a tecnologia para desenvolver seus próprios produtos e adapta os já existentes. Um aporte ou parceria com uma empresa maior facilita os processos das que atuam com hardware e software. Assim, ganha-se maior respaldo para enfrentar problemas, a exemplo da escassez de recursos e das negativas de propostas.

Para estar sempre antenado com as novidades do setor, continue acessando o blog.

cta-final3

Comentários